Os males mais graves são aqueles que privam o ser humano de sua liberdade.


sábado, 24 de agosto de 2013

Mais Fatos e Menos Propaganda – A verdade sobre os Médicos no Brasil


Uma tentativa de breve texto para elucidar a realidade dos Médicos no Brasil.

No dia 06 de maio deste ano, o ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota, anunciou a intenção de “importar” (termo utilizado) 6 mil “médicos cubanos” para trabalhar em “áreas carentes” do Brasil, sem exigência do “Revalida”.  O argumento utilizado foi que existe carência de médicos no país, e gerou-se o embrião de mais uma crise dentre as várias outras que atingem o governo federal atual.
“Médicos cubanos”, “Revalida”, “áreas carentes”, termos que vêm sendo usados exaustivamente na mídia, que tentarei explicar o contexto o qual eles pertencem.
 Os parágrafos seguintes dispõe de alguns números que podem parecer um monte de dados, mas estão dispostos de forma sucinta para que cada um possa tirar suas próprias conclusões.
Primeiramente, o Brasil dispunha, em outubro de 2012, de 388.015 médicos, sendo que em um ano (entre outubro de 2011 e outubro de 2012) formaram-se 16.277 novos médicos, conferindo um aumento anual de 4.36%.
De 1970 até 2012, a população brasileira aumentou 101.84%, enquanto o número de médicos aumentou 557.72%, cinco vezes mais.
O número de faculdades de medicina no Brasil cresceu 82% nas duas últimas décadas, chegando a 167 no ano de 2007, levando o país para a segunda posição mundial em número de cursos de graduação na área, perdendo apenas para a Índia, que possui 222 cursos para uma população de mais de 1 bilhão de pessoas. A China e os EUA possuem, respectivamente,  150 e 125 faculdades de medicina.
O Brasil dispõe de 2,0 médicos por 1.000 habitantes, segundo o último senso de demografia médica do Conselho Federal de Medicina, sendo 1,01 na região Norte, 1,2 no Nordeste, 2,67 no Sudeste, 2,09 no Sul e 2,05 na região Centro Oeste. No Distrito Federal, berço do governo, a taxa é de 4,09 médicos por 1.000 habitantes, a mais alta do país.
Mantendo o ritmo atual de formação de profissionais, o Brasil atingirá 500 mil profissionais daqui a sete anos (em 2020) com uma taxa de 2,41 médicos por 1.000 habitantes, semelhante à atual taxa americana.
Porém, a OMS recomenda 1.0 médico por 1.000 habitantes. Olhando apenas pelos números, estamos duas vezes acima do recomendado, e prontos para alcançar (e ultrapassar) os americanos em 07 anos.
Ainda assim, não há médicos em muitas regiões do Brasil, especialmente as carentes, e por carentes não pensem em uma aldeia no Acre, pois em regiões metropolitanas de grandes metrópoles também não se encontram profissionais. E reforçando, o Brasil forma 16.277 novos médicos por ano atualmente. Então, por quê há carência de médicos?
Salário? Muitos já ouviram falar de salários de R$ 30 mil oferecidos para médicos no interior do Pará, ou R$ 15 mil de uma cidade no interior de algum estado do sudeste.
Pois bem, tais salários oferecidos não dispõe de direitos trabalhistas, leiam-se férias, 13º salário e quaisquer outro direito que qualquer trabalhador brasileiro tem. Não existem garantias ou contratos. A maioria é verbal e o médico é o único responsável pelas vidas daquela região. Você toparia perder uma mãe e um filho em um parto,  por R$30 mil?
Se topasse, você também não receberia R$ 30 mil. As prefeituras que oferecem salários extremamentes altos geralmente honram apenas o primeiro mês, as vezes o segundo, e atrasam e/ou simplesmente não pagam os meses seguintes. Em uma média aritmética de um atraso de quatro meses, o salário real cai para 25%. Como não existem contratos, garantias, direitos trabalhistas, fica tudo por isso mesmo.
Não menos importante, falta infra-estrutura. Não estamos falando de ressonância magnética ou medicina nuclear, e sim de um ultra som para fazer pré natal, exame de sangue e raio x para diagnosticar pneumonia, remédios básicos para trata-la e, o mais importante, outros profissionais da área de saúde.
Médico não trabalha sozinho, os vetos do ato médico estão aí pra provar. Não fazemos partos ou cirurgias sem enfermeiras, não sabemos fazer fisioterapia, não sabemos estimular crianças com dificuldades ou necessidades especiais, dietas para tratar diabéticos ou obesos. E obviamente, a única coisa que sabemos sobre higiene bucal é escovar os dentes.
A imagem do médico sozinho carregando a própria maleta na porta de uma casa é uma realidade de uma época que a medicina não conhecia nem sabia tratar nada do que ela tenta cuidar hoje.
O governo conhece toda essa realidade, e os médicos também.
Por isso os médicos estão propondo, há dez anos, uma solução para, pelo menos, as garantias trabalhistas, apresentando ao governo federal um plano de concurso público com carreira de estado para os médicos,  nos moldes dos que ocorrem com juízes, que teriam estabilidade e garantia de carreira para se fixarem no interior com suas famílias.
Porém, após dez anos, a solução subitamente emergencial apresentada pelo governo, segundo os fatos, foi a importação imediata de médicos estrangeiros, cubanos ou não, para suprir a carência destes profissionais. Nenhuma vírgula foi dita sobre maiores ou melhores investimentos no SUS e em sua infra-estrutura ou sobre os outros profissionais da área de saúde.
Mas, para um médico estrangeiro trabalhar no Brasil, este precisa antes fazer um exame chamado Revalida, que é uma prova de conhecimentos médicos para avaliar se o conteúdo adquirido em outro lugar do mundo é suficiente à realidade brasileira. Apesar do corpo humano ser o mesmo, o ambiente difere, e muito, de um país para o outro. E é dele que contraímos as doenças. Febre amarela, por exemplo, é muito conhecida pelos médicos na região norte do Brasil. Agora pergunte para um argentino, americano, europeu, ou mesmo um gaúcho. Não é uma doença comum nessas regiões, assim como nelas existem as mais comuns. E há o idioma. Existe uma diferença entre saber o que é uma dor epigástrica e um bucho doído. O índice de reprovação nas últimas provas do Revalida atingiram 92%.
Para driblar o possível imbroglio que uma reprovação em massa poderia causar, o governo criou outra solução, e literalmente driblou o Revalida. Os médicos que estão aportando no país não precisarão fazer a prova e terão um registro profissional provisório, que não existe e não está previsto de existir nos Conselhos Regionais de Medicina. Não é como uma Carteira Nacional de Habilitação Provisória, onde há um limite de erros para você não perdê-la.
Quanto à remuneração, ofereceram bolsas de R$10 mil reais, chegando a R$30 mil reais em regiões inóspitas.
Perceberam o termo “bolsa”? Por que não “salário”? Simplesmente porque os médicos não terão direitos trabalhistas, e se permanecerem menos de três anos, terão de devolver o dinheiro. Qual o nome de trabalho sem direitos e de graça, caso alguém desista?
Sabe-se que o governo federal irá pagar R$511 milhões para Cuba, pelos médicos cubanos, porém o governo brasileiro não sabe quanto será repassado ao médico cubano. O salário de um médico cubano, em Cuba, é de aproximadamente R$60,00 (sessenta reais).
Os cubanos são os únicos que irão para o interior, carente de infra- estrutura, simplesmente porquê eles não dispõem de opção de escolha, também conhecida como liberdade.
E, finalmente finalizando, 4.000 cubanos? Isso aumentaria  a taxa atual de médicos no Brasil de 2,0 para apenas 2,02 por 1.000 habitantes, sem alterar mais nenhum aspecto o sistema público de saúde.
Com uma conta matemática simples e não eleitoral, ao final de 2014, sem os médicos cubanos, a taxa de médicos no Brasil já seria de 2,08 por 1.000 habitantes (com os 16.277 novos formandos anuais) e os R$511 milhões poderiam ser investidos, com folga, em hospitais, outros profissionais e, tão importante quanto e tão aclamado nas manifestações, educação para, quem sabe, os futuros governos saibam fazer contas básicas em vez de eleitorais.


João Paulo Gonzaga de Faria é médico, residente em Genética Médica no Hospital das Clínicas da UFMG

Caso queira seguir as futuras novas publicações do blog, basta curtir a página do blog O Médico Liberal no Facebook: https://www.facebook.com/omedicoliberal

Fontes:
WHO – World Health Organization; 
Conselho Federal de Medicina. Demografia Médica do Brasil, volume 2, 2013.


52 comentários:

Felipe Bomfim Leonel disse...

Sensacional o texto. Muito elucidativo. Espero que atinja um bom número de leitores que compartilhem e divulguem estes dados!

Teresinha disse...

Parabéns pelo texto, Dr João Paulo.
Bela explicação da situação brasileira foi resumida nele. Mas o povo brasileiro é analfabeto político. Não está interessado em saber qual é a realidade dos fatos. Eu vou compartilhar no meu facebook mas tenho certeza que só 2 ou 3 pessoas lerão e comentarão, se tanto. Continue lutando pela classe médica e conte comigo para divulgar. Um abraço,
Teresinha Kraut

ThiagoCE disse...

Esta é a matéria mais sensata e não manipuladora que vi até agora. Nela, pode-se a realidade da saúde em nosso país. E, em decorrência desta situação, levanto sim a bandeira dos bons médicos, mesmo não sendo médico - lembrando que bons e péssimos profissionais existem em todas as áreas. Ao passo que falo com muita propriedade da luta deles (dos bons médicos, que são muitos), pois tenho vivenciado isso tudo de perto. Tenho presenciado os calotes, as faltas de diretos trabalhistas, a falta de segurança - quantas vezes rezei para minha namorada voltar bem de seu trabalho? Quantos amigos meus que eram médicos e desistiram de exercer a medicina por conta do caos na saúde?
Por fim, queria deixar um recado aos "socialistas" de fachada que conheço: vocês são mais HIPÓCRITAS do que a burguesia que vocês tanto condenam. Falam da burguesia, dizem-se socialistas, mas vivem nas regalias do capitalismo e, muitas vezes, só sabem defender suas ideologias com palavras bonitas, e não com atos e vivências. Além do mais, queria pedir aos estimados socialistas, não só ao de fachada, que reflitam mais antes de dizer que os médicos daqui só querem saber de dinheiro e que os de Cuba são anjos que virão ajudar nosso povo. Pensem bem. Para mim, isso sim é hipocrisia, é o socialismo agindo de maneira capitalista e da pior maneira possível, pois está comercializando pessoas em troca de dinheiro.

MARIO disse...

só esqueceu de uma coisa: descontando os que só assinam o ponto, sobram 0,02 po 1000 habitantes

Luísa Resende disse...

Excelente texto!
Se a população fizesse questão de enxergar essa realidade, cobrasse medidas eficazes e não ficasse satisfeita com medidas que EFETIVAMENTE não irão melhorar nada, não teria um Serviço de Saúde tão falido como o SUS atual.
Preferem ver apenas os maus exemplos da classe, generalizar os demais como semelhantes a esses ruins e apoiar essas medidas eleitoreiras medíocres.

Hellen disse...

Excelente texto! Obrigada!

Victor David disse...

Ótima comprovação por números sobre o despropósito do programa Mais Médicos. Agora, não parem nas questões técnicas. Continuem seguindo o rastro para descobrir a razão ideológica do programa, e que o acordo com Cuba já havia sido acertado via Foro de São Paulo. A classe médica está sendo usada para trazer uma leva de agentes cubanos (como foi feito na Venezuela) que vão ampliar a base eleitoreira nos interiores do país, ao mesmo tempo que repassa verbas públicas para o falido regime cubano. Espero que haja reação verdadeira a tudo isso por parte dos nossos médicos.

Omar disse...

mutio bom meu caro .
Disse tudo com muita clareza .
Vamos compartilhar no facebook para que o pais fique sabendo a verdade .

israel disse...

Bom saber, vamos compartilhar...

Mbm disse...

E descontando os pacientes vadios que vão pedir atestado toda 2a feira, véspera e fim de feriado, só porque querem matar o trabalho, o Brasil precisaria de 0,01 por 10.000 habitantes. Povinho hipócrita! A cada 100 consultas, 80 são de gente que quer matar o dia de trabalho às nossas custas, pra torrar o bolsa esmola em alguma inutilidade.

Cheers! Fla disse...

Otimo texto, infelizmente, nossos politicos nao fazem nada que faca sentido, muito pelo contrario, nada faz sentido nesse governo.

José disse...

Há muitas críticas que devem ser feitas mesmo às ações do governo, mas se é possível enviar médicos à regiões onde há muita gente que precisa e não há médico brasileiro que queira ir, então acho que a iniciativa deve ser apoiada por questões humanitárias.

Sérgio Augusto da Silva Monteiro disse...


Faltou apenas um ponto, as prefeituras estão demitindo os médicos contratados em concursos temporários, para assim ficarem com médicos cedidos pelo governo, desta forma os médicos não serão pegos pelas prefeituras e sim pelo Governo Federal. ok

Kubanacan rsrs disse...

Descontando os médicos preconceituosos e autoritários como o do comentário acima o Brasil fica ainda mais carente, de forma extremamente crítica, de médicos. Parabéns, Mbm!! O teor odioso do seu comentário acaba de me convencer finalmente que precisamos sim, e urgentemente, de médicos cubanos ou de qualquer outra pátria sem vícios de Senhoria, pois os HUMANOS estão em falta entre nossos "doutores".

Analine disse...

Ótimo texto! Você sabe argumentar super bem! Mas tudo o que você falou estatisticamente esta beeeeeeemmmm longe da nossa realidade! Já estamos em nosso 13º Processo seletivo simplificado depois ainda do concurso publico e ainda não conseguimos completar o quadro de médicos do nosso SAMU e não venham me dizer que é falta de estrutura, ou carga horaria, ou salario... É falta de "voia" mesmo da parte dos "magnatas" que querem receber do SUS e do governo o mesmo que cobram em seus consultórios... Sem falar na falta de Humanidade 90% dos que atendem no SUS... Não generalizando não... Existem médicos muito bons! E esperamos que os cubanos sejam estes médicos que nos faltam! Se é regime de escravidão não sei, eles vieram de boa vontade e estão afim de trabalhar, coisa que os médicos daqui não sabem o que é!! Você pode falar o que quiser mas o fato de eu ter trabalhado em uma secretaria de saúde onde eu via médicos batendo ponto sem cumprir carga horaria e agora a pouco tempo desfilando com narizinho de palhaço reivindicando melhorias eu achei a maior piada e torci demais para que desse certo a vinda dos cubanos! É uma medida temporária mas que vai ensinar muito os "pomposos" médicos Brasileiros a serem um pouco mais HUMANOS e menos Doutores! Hipocrisia é a palavra que me vem ao ler esses comentários de pessoas que não tem um pingo de bom senso. Que ao ver um almofadinha falar bonito já saem compartilhando ideias distorcidas! Se você acredita tanto nessa ideia então lute para que esses mesmos médicos se sujeitem a trabalhar de verdade! Sabe o que é pior disso tudo? é trabalhar numa rede de urgência e emergência e contar com médicos "renomados" que não sabem estabilizar uma vitima! Que sabem menos de PHTLS do que um técnico de enfermagem! E são esses mesmos médicos que estão nas ruas se defendendo! Se fossem bons e suficiente tenho certeza de que tudo isso não estaria acontecendo! Para os que estão se formando fica o alerta! Se esta na faculdade achando que ser medico é quase ser um "semideus!" Repense meu filho! Os tempos de médicos Semi Deuses está acabando! É um profissional da área de saúde tão importante quanto qualquer outro! Não é MAIS que ninguém e vai ter o devido respeito assim que começar a respeitar seus pacientes!

Banana disse...

Mario: esses dados que vc apresenta em seu comentario não são verdadeiros. Só servem para desviar a atenção. O post foi muito claro. Concordo que muitos médicos só assinam o ponto, mas não na proporção que vc colocou e, além disso, um erro não justifica o outro. Vamos por partes.
Mbm: também só quis tumultuar, hein? Para que focar culpando os pacientes da situação? Só faltava essa! Também concordo que tem muita gente que pentelha os plantões em busca de atestados, mas isso não diminui a necessidade que o país está de mais saúde.
kubanacan: aí vc apelou de vez! Quer dizer que os médicos do Brasil são desumanos, e os de qualquer outro lugar não? Só por causa desses dois idiotas que postaram aí acima?
Conclusão: o post foi muito esclarecedor, só não entende quem não quer. E os comentarios tb, exceto estes 3 acima. Fui...

Rafael Burnie disse...

Fora o fato que destes 511milhões repassados a Cuba, uma boa parte volta para o governo brasileiro financiar as próximas eleições, uma parte fica com Fidel, e os médicos cubanos, enfim, tirem suas conclusões

Kubanacan rsrs disse...

Obrigado,Banana. Percebo que você possui algo realmente admirável e que tento preservar o mínimo possível que é o bom senso. Não considero que foi um apelo, pois me referi ao MBm , seu comentário e a outros médicos que pensam como ele, e infelizmente a minha opinião ( baseada em inúmeros casos que presenciei e que amigos e familiares presenciaram), são muitos, quiçá a maioria dos nossos doutores. E isso é realmente triste. Quanto a médicos de outras nações não sei dizer o quanto, ou qual a porcentagem de humanidade entre os mesmos( embora desconfio que os EUA não estejam muito longe do Brasil neste quesito), quanto à nossa minoria de médicos que, sim, possuem uma postura calcada no humanitário, sinto muito se os ofendi, não foi essa a intenção, e como humanos que são me refugio no seu perdão. Abraços

André Astete disse...

Não sei se meu comentário anterior foi corretamente enviado, por isso reenvio.

Analine,
O sonho de consumo dos gestores públicos sempre foi que todos os profissionais de saúde topassem trabalhar recebendo os péssimos salários em trabalhos sem nenhum plano de carreira que são oferecidos pelas prefeituras de todo país. Isto sempre deu certo com profissionais pressionados por questões de mercado de trabalho. O que vocês pagam a dentistas, fisioterapeutas, psicólogos e enfermeiros é uma v-e-r-g-o-n-h-a! Mas vocês contratam mesmo assim, pela falta de alternativa de muitos. Mas espere um pouquinho e você verá faltarem enfermeiros, especialmente especializados. Aí você os promoverá a almofadinhas...Os médicos mais capazes, mais éticos e mais idealistas fogem de trabalhar para gestores sem noção e políticos corruptos. Fogem porque podem ou assim que podem. Cada vez mais o SUS fica com o que há de pior, em termos técnicos e de caráter. A medicina privada no Brasil também não tem nada de paraíso. Mas nela, quem me diz quanto vale meu trabalho é meu cliente. E talvez isso te cause muito mal estar, mas há muitas pessoas dispostas a investir no nosso trabalho e nos tratar com mais respeito que os demagogos que gerem o sistema de saúde. Por isso existem os consultórios particulares que tanto te desagradam. Os números do texto te frustram, por isso você prefere acreditar que é por uma questão de (mau) caráter de uma classe, de futilidade e alienação burguesas, que cada vez menos médicos capazes buscam trabalhar no SUS. Mas eles são reais, são do IBGE (médicos por hab.), do MEC (escolas de medicina e alunos formados por ano), e fazem pensar que há algo de muito errado no SUS, ainda que você prefira o delírio ressentido. Só para finalizar: o SAMU, sem uma rede hospitalar decente, é apenas propaganda política, é outra arapuca onde o médico assume uma responsabilidade jurídica desproporcionalmente maior, que todos. Não pense que oferecendo ambulâncias novas e uniformes bacanas, vocês vão conseguir enganar verdadeiros emergencistas em numero suficiente.

Jucilene Pereira disse...

Acho que esses depoimentos vieram para algos "DOUTORIS brasileiros" refletirem um pouco. Nem sempre pode ser Deus, e nunca trabalham sozinhos num plantão em emergência ou UTI. Trabalham sim, com uma equipe multiprofissional, que muitas vezes não é respeitada e não tem o valor reconhecido, por apresentar melhor ou igual conhecimento do que um médico. Trabalhei com muitos médicos que não eram doutores mas deveriam ter esse título Doutor, e trabalhei também com muitos Doutores que deveriam ter é mesmo um título de Doutoris, então, podem ser cubanos, europeus, haitianos, brasileiros, podem ser de qualquer nacionalidade, nada muda se não tiver caráter. Por fim, nada adianta ter uma estatística clara, palavras com bom sentido, se o governo é o espelho do que nós somos. Está no sangue do brasileiro, se poder tirar alguma vantagem, que essa vantagem venha a mim, caso contrário, reclamamos.

Vinícius Lazzarini disse...

Excelente texto!

Camilla disse...

João Paulo,

Sou estudante de Psicologia e vivo no Rio de Janeiro, na última semana tive a oportunidade de participar de um estágio em vivência na realidade do SUS, chamado VER-SUS (não sei se já ouviu falar...), onde pude conhecer parte da rede de saúde da minha cidade, visitamos clínicas da família, CMS, hospitais de grande porte, UPAS, etc. Durante essas visitas pudemos conversar com usuários, gestores e funcionários e o que vimos de perto foi sim a escassez de algumas especialidades médicas, principalmente a de anestesistas e pediatras.

Em minha vivência acadêmica, que sem dúvida é bem menos vasta que a do senhor, aprendi que os números são importantes, mas dependendo da forma como são mostrados podem mascarar muitas coisas e no fim das contas fica a interpretação que é feita deles.

A crítica que ouvi em debates com alguns professores de minha Universidade(UFRJ)foi que quem controla as vagas nas residências médicas são os próprios médicos, que não têm interesse em abrir mais vagas e ampliar a concorrência, correndo o risco de diminuir os salários da sua categoria. Por isso, o fato de existirem muitos médicos não garante que existam médicos para dar conta das especialidades que estão sendo solicitadas.

Concordo plenamente que um médico não trabalha sozinho, que é necessário que se invista em estrutura, que o Revalida é imprescindível, mas ainda fica pra mim o questionamento de se mesmo assim haveria médicos dispostos a trabalharem nesses lugares.

Claro que toda generalização é perigosa, mas o que vejo na minha cidade é que os cursos de medicina são ocupados em grande parte por estudantes de classe média/alta que parecem estar mais interessados em se formar e abrir seus consultórios a trabalhar no SUS.

Pra mim ainda ficam mais perguntas que respostas, mas não sei se é tão desnecessário assim que se traga médicos de fora. Apesar de discordar da forma como isso está sendo feito.

Camilla Baptista

Não sei para quê disse...

Já agora. outra questão importante que passa a vida a ser levantada por ai. Criar carreira, é fundamental. É uma das coisas que as estruturas representativas dos medicos deviam discutir. Comparar com a carreia judicial que se vai aproximando dos centros é que está errado. O GP (general Practioner) na Inglaterra, ou o Medico de Clinica Geral e familiar que é a sua copia aqui em Portugal, é a base da piramide assitencial ( e faz internato= residencia, como qualquer outra esoecialidade) ,. Mas tem de ser estimulado a ficar onde trabalha e integrar-se na comunidade, só assim cumpre a sua função. Claro que não lhe pode ser proibida a vontade de mudar, mas mudar para cada vez mais perto dos Centros como premio de bom desempenho é exactamente o contrario do que deve ser proposto como carreira.

Patrícia Ribeiro, Fonoaudióloga em Belo Horizonte (MG) disse...

Texto muito bom, João Paulo! Eu apoio esta causa! Parabéns pelo blog! Abraços

Heetor Carvalho disse...

Há uma frase que reflete muito bem a realidade das nações: "Cada povo tem o governo que merece". Essa vinda de médicos cubanos para o Brasil está se consistindo em um dos maiores "roubos" da história da democracia brasileira, 40 milhões/mês a serem pagos a Cuba. Cada médico cubano será indiretamente um cabo eleitoral, propagandas inúmeras surgirão mostrando o "bom atendimento cubano", mais uma família visitada em sua casa... etc, mas o posto de parede de barro e sem remédio continuará igual, o subdesenvolvimento não mudará, a má qualidade da saúde não mudará nada! Porém o voto está garantido. Eu sou sou médico, sou do interior, atendi em salas de casas de pau-a-pique e adorava o que fazia, minha raiz é interiorana porque conheci a pobreza e me formei em faculdade federal por mérito, sem falsa modéstia digo que sou um excelente profissional, e também sei o quanto a população fica satisfeita com atendimento, independente de não haver remédio... Quando atendia uma mãe com oito crianças cujo motivo da consulta era remédio para verme (que tinha no posto para dar) mas que no próximo mês estava exatamente igual, eu ficava muito frustado pensando que essa situação não iria mudar nunca... E não vai mesmo. Prefeitos já se elegeram devido ao meu trabalho - médico atendendo em comunidade carente é a ação que mais dá voto, não existe outra que chegue nem perto do que essa. O governo quer voto para se eleger, e terá os milhões de votos que precisa. Agora eu repito mais uma vez: quem acha que essa ação do governo é pensando nos pobres, nas cidades desamparadas e em melhorar a saúde do país, continue assim com sua ignorância, sua incoerência, sua burrice ou que se assemelhar a isso, votem na Dilma e curtam nossa calamidade em tudo, nossa má educação, nossa posição péssima em todos os parâmetros... Sempre votei no PT, sempre aplaudi o Lula (que era meu exemplo político), agora... quanta sujeira, desonestidade. Estou envergonhado. A assessoria política acertou em cheio mais uma vez, garantiu as eleições. Médico brasileiro virou o mercenário, os outros profissionais de saúde agora são "inimigos" declarados e possíveis simpatizantes do governo, o problema da saúde está resolvido, 4.000 cabos eleitorais "de graça" atuarão e a população está feliz. Diminuir o salário do médico não vai aumentar o dos outros profissionais de saúde, deveria haver luta para aumentar o de todos. Mas o governo jogou muito... muito bem. Quem salvará nossas gestantes quando parto complicar será o obstetra, quem cuidará de nossas crianças serão os pediatras, nossos pais necessitaram de cardiologistas, endocrinologistas, pneumologistas... etc. Mas vamos mesmos assim condená-los todos. Com extrema ironia encerro: Parabéns Dilma, você conquistou a aprovação e os votos que precisava!

Estrelinha disse...

Concordo com vocês, em gênero números e grau.
O que vocês nao entenderam, e que cada um desses cubanos vão representar em votos, no ano que vem!
Imagine lá no sertão, um medico convencendo, os nossos brasileirinhos ignorantes, o e que vai ser esses médicos? Somente cabo eleitoral, deu para entender!

Unknown disse...

Piada esse seu comentário. Quer contratar médico a preço de banana e sem concurso.público. Pessoas.como você é que envergonham nosso pais que só sabem mamar o dinheiro.do povo.
Vcs secretários e prefeitos dão calote e ainda ficam aqui posando de santo.

Unknown disse...

Analine.
É por causa da política nojenta que se pratica aqui é que o pais está indo pro buraco e quem.financia esse delírio que é o SUS são os profissionais que lá estão recebendo.miséria e proporcionando que sobre mais dinheiro para os "gestores" caloteiros embolsarem.

Kubanacan rsrs disse...

O pior é quando o próprio prefeito é o médico e o corrupto, que utilizou a saúde pública como alavanca eleitoreira e manda nas cidades e no poder público há mais de 20 anos, como está cheio nas cidades do interior desse país, é só pesquisar. Unknow cabe perfeito pra voce; desconhecido e desconhecedor.
Mandou muito bem, Analine!!

Matheus Zago disse...

blablabla

Jayson Miranda disse...

Existem verdades das duas partes, porém a hipocrisia e o egocentrismo é q são a raiz d todo o problema, o comentario da Analine é sim uma realidade, parabens, falou mtas verdades, tanto quanto o texto do João Paulo, que mostra sim que o governo utiliza daquele velho 'jeitinho Brasileiro' pra tentar resolver problemas sérios e reais apenas os mascarando dando uma falsa idéia de eficácia.

pena mesmo, é existirem pessoas como o q respondem anonimamente com um comentário infeliz, generalista e idiota como esse aqui d cima.

Lucas Faria disse...

Sem duvida essa vinda dos cubanos esconde um cenário muito complexo e avacalhado da estrutura medica e politica no Brasil. Mas João Paulo, me incomoda muito essa disputa de torcidas. O ocorrido em Fortaleza é muito triste, o medico cubano não tem nada com isso. Não é ele o corrupto nem é ele o politico que decidiu isso tudo. Atitudes como essas dos seus colegas Cearenses desviam o foco do real problema e, a primeira coisa que vcs medicos deveriam fazer antes de demonstrar os motivos da revolta pela vinda dos cubanos e deixar bem claro que repudiam esse comportamento. Aquilo ali é produção de comportamento em série, é uma ausência de personalidade e comportamento de bando, é cruel. Eu não cuspo no frentista pq a gasolina esta cara nem despejo minha raiva no trabalhador que constrói a ponte super faturada. Defendam a integridade da sua classe repudiando essa atitude adolescente e muito vergonhosa dos seus colegas e depois continuem o (seríssimo) debate sobre as realidades que essa questão esconde.

carlos roberto nogueira disse...

Em primeiro lugar, parabéns João Paulo pela matéria, acho o assunto muito importante e há muito tempo eu esperava que a saúde fosse discutida pela sociedade, infelizmente as coisas tiveram de ficar numa situação tão ruim para ser feito algo, porem o algo que está sendo feito não é o remédio mais recomendado para tantos anos de má condução das politicas de saúde. Acho que nem vai melhorar, nem piorar muito o que já está ai. Trata-se claramente de medidas apenas eleitoreiras mesmo. Mas por outro lado como médico, formado há quase 32 anos tenho algumas considerações pessoais a fazer. Em primeiro lugar precisamos nos colocar no lugar das outras pessoas para entender como elas estão vendo a questão da saúde e a sua solução; apenas questionar a falta do revalida, ou plano de carreira, ou forma de contratação acaba apenas criando trincheiras de lado a lado e cada um acaba se defendendo como pode, e na verdade não estamos numa guerra de uns contra os outros, estamos lutando pela preservação da saúde, e ai acho que os médico tem sua parcela de culpa por que se omitiram durante muitos anos deixando que políticos, empresas de medicina de grupo, e pessoas que nada entendem de saúde ditassem os rumos das politicas de saúde. Nenhum paciente é atendido, medicado, internado, operado, tratado e recebe alta se não houver um responsável médico atendendo o mesmo. Portanto o Médico há muito tempo deveria ter tomado uma atitude realmente digna da sua visão mais global da saúde e feito valer o seu real valor, não apenas em relação ao quanto ele vai ganhar, pois sei que essa parte o médico sempre conseguiu se sair razoavelmente bem (mesmo tendo de trabalhar muitas horas e em muitos empregos para conseguir manter seu padrão de vida), porém nós nos descuidamos do mais importante que era a falta de condições mínimas adequadas para podermos realizar um bom atendimento de saúde para os pacientes sob nossa responsabilidade e sempre empurramos com a barriga as mas condições que nos impunham desde que recebêssemos nosso salário (ainda que na maioria das vezes de forma irregular, sem contrato e sem carteira assinada). Falo isso após 32 anos de trabalho sempre no serviço público, e sempre sem nenhuma garantia trabalhista, porém com a alma tranquila de que fiz o melhor que pude pelos pacientes que cruzaram o meu caminho. Sou médico por prazer, amo realmente o que eu faço, jamais deixei o $ andar à frente de qualquer atendimento que eu fiz,, mas hoje admito que estou ficando cansado de ver a situação da saúde e essa disputa entre nós médicos e os pacientes aonde parece que uns são inimigos dos outros, enquanto o verdadeiro inimigo é a doença e essa politica suja contra a saúde. Devemos todos nos unir para buscar uma solução que é possível desde que haja vontade.

Unknown disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Agatoclides disse...

Melhor que o texto, só esse comentário!!parabéns!

Mauro Demarchi disse...

A “importação” de quatro mil médicos cubanos representa, na realidade, a exploração do trabalho do profissional em benefício do partido que governa a ilha prisão de Fidel Castro. Isso configura trabalho escravo. Limitação de liberdade de movimento dentro do Brasil, manutenção de familiares como reféns para impedir pedido de asilo, entrega da maior parte do salário do médico ao governo comunista de Cuba. Tais fatos, todos de conhecimento do grande público e determinado nas regras cubanas para os médicos, demonstra inquivocamente, trabalho escravo, sequestro e controle pessoal.
http://www.avaaz.org/po/petition/Contra_o_trabalho_escravo_imposto_aos_medicos_cubanos/?fbdm

Jose Renato disse...

Concordo em partes com o artigo.
Em primeiro lugar de todos esses medicos formados no Brasil, mais da metade não tem condição nem de diagnosticar uma doença das mais simples, deveriam passar por um exame rigido, como da OAB antes de poder exercer a profissão, em segundo lugar concordo que o problema tem que ser resolvido com o governo brasileiro, mas não ostilizando os medicos cubanos que são os menos culpados em toda essa confusão.......

mariana disse...

Também achei muito interessante, o texto. Falar em Mais Médicos sem a previsão de um investimento na estrutura da saúde acaba sendo "tapar o sol com a peneira". Entretanto, não há como falar só em falhas do Governo. Numa situação complicada como a que vivemos (em relação a saúde, digo), não há como identificar erros só de uma parte - no caso, do Governo. Médico no Brasil é arrogante e MUITOS (mas MUITOS MESMO) fraudam o ponto e não cumprem a jornada de trabalho estabelecida. Além do mais, não adianta dizer que o problema é só porque falta medicamento ou um aparelho para fazer exame. Atualmente, NINGUÉM quer ir para o interior... e não por uma questão de só de faltar saúde.. mas interior no Brasil não tem opção, não tem colégio caro, não tem faculdade grande pública, não tem 687168 salas de cinema, não tem shopping, não tem internet banda larga com um preço razoável... A vida no interior não é apreciada. Tanto é que qualquer pessoa que NASCE no interior quer ir para capital, quer ir para São Paulo atrás de emprego. Não que falte na cidade... mas enfim. Não julgo quem pensa assim. Também moro em capital, apesar de ter, de fato, nascido numa. Mas também não me venha com hipocrisia dizendo que é por falta só de condição de trabalho. Mesmo que em rio Bananal, no Espírito Santo, tudo fosse lindo... ia faltar profissional em um monte de área! Além disso, por mais que enfiar uns médicos de fora no interiorzão resulte em apenas 0.2 médicos a mais por 1.000 habitantes... a D. Maria que levou o filho no hospital lá em Fortaleza vai estar pouco sem importando com a estatística.. só quer saber se o guri vai ter atendimento ou se está faltando plantonista. Enfim. Concordo com muito do que disse... são muitos os absurdos... mas ninguém é santo, né?

(RICSIMON) disse...

TEM GENTE AINDA VIBRANDO COM A CHEGADA DESSES 'POBRES' MÉDICOS CUBANOS.

POIS QUEM TEM MENOS CULPA DESSA MANIPULAÇÃO TODA SÃO ESSES PROFISSIONAIS, QUE ESTÃO SAINDO DA MISÉRIA EM SEU PAÍS DE ORIGEM PARA SEREM ESCRAVOS POR AQUI.

OUTRA COISA QUE NÃO CONSIGO ENTENDER, COMO UMA PAÍS CONSIDERADO DEMOCRÁTICO POSSA SUSTENTAR UMA DITADURA???

COISAS DO PT!!!

Silvan Flávio disse...

Ehhh... Eu preciso estudar melhor o caso, mas me parece que uma carreira profissional publica seria uma boa solução. Não precisa ser comparada a juízes, mas quem sabe a professores de nivel superior. Também poderia ser utilizado algum processo de transferencia como utilizado pelo exercito, que da preferencia para transferencias desde que o militar tenha servido na região de fronteira, área carente de mão de obra.

Rodrigo Passos disse...

Muito interessante uma pessoa que trabalhou numa secretaria de saúde (Analine) com seu comentários!... Vá estudar medicina em um grande centro e volte ao interior para criar seu filhos (estudar em boas escolas etc) pra fazer "caridade" nos termos que você acha certo sem garantias no emprego ficando a mercê dos políticos que te indicaram para o cargo. Provavelmente você agora está ou te julgaram da oposição!Como fazem com os médicos que trabalharam bem e agradaram nas gestões anteriores e mereceram sair depois pois se tornaram oposição ou acabou o dinheiro por desvio da verba...além do que, se ficarem doentes, afastarem-se ou quiserem descansar de férias precisam utilizar de suas reservas e comprometer sua aposentadoria!

Acho que a única coisa que poderia melhorar a escassez nestas áreas seria pagar muito bem aos professores médicos para ser possível abrir ou distribuir escolas de medicina no interior com cotas para aqueles naturais e moradores da região. Entretanto, isso levaria tempo.
Sou médico e o programa não me deprecia, valoriza. Não sou a favor da forma que está sendo imposto e nem do contrato suspeito com Cuba, mas também não sou contra tapar literalmente o buraco temporariamente nos lugares onde falta tudo e ninguém por salário nenhum no Brasil iria no momento!

alexandre zamuner disse...

Bem, sempre, sempre ira ter visoes divergentes. Sempre havera aquele que nao gostou do medico, ou que acha o medico pense ser o 'semideus" só quem passa pelos anos de cursinho, anos de faculdade, anos de residencia, e o dia dia dotrab, vai entender. Cansei de tentar mostrar que nao é assim bla bla bla...
Mas, to escrevendo para completar um informaçao;
Precisamos de mais medicos, mas especialistas. Ate agora nao vi nenhum representante politico ou de classe argumentar esse lapso. Exemplo
SC forma 1000 medicos por ano, e oferece apenas 198 vagas de residencia no total. Se for ver, sobram 800 clinicos. Isso fazendo a conta regional.
Acontee que formam mais e mais medicos, porem as vagas de residencia nao aumentam. E o Min da saude, nao mexe um pauzinho p/ mudar isso.
Nao adianta ter um clinico recem formado como unico medico da cidadezinha. Mesmo que se tentar enviar caso especifico p/ cidade referencia, nao tem ambulancia, nao tem leito, e muitas vezes nao tem medico especialista. A verdade é que o sistema TODO ta furado. ta tudo errado. e o povo só sabe reclamr do medico. Reclamem de quem vcs pagam o salario, pq o meu quando pagam, vai p pagar dividas da faculdade, ou processo de malandro.
Vou procurar algum "mais medicos" na europa.. outro pais que reseite o cidado e o profissional.... pena que nao encontrei :/

Mauro disse...

Excelente artigo. Muito informativo.
Imensamente agradecido

Spharion disse...

Analine disse: "Se é regime de escravidão não sei,"

Ou seja, se é regime de escravidão, não se importa.

Stefania Danca Pall disse...

Maus profissionais temos em todas as áreas. Advogados, policiais, marceneiro, bancários..... Alguém pediu enfermagem, fisioterapia, técnicos RX, Atendentes? Falta também para compor assistência médica. Eles vão importar também? O problema é político. A pretensa elite médica mercenária desprezando os trabalhadores brasileiros. Uma minoria numérica nas urnas versus a maioria. Essa maioria que não quer ver que a infraestrutura pública é
Ineficiente. Quem já precisou minimamente de serviço público viu como funciona mal. São todos desumanos da elite? Na saúde se vc foi mal atendido foi só por causa do médico? É tudo. É vergonha na cara de todos nós. Vamos parar com esse preconceito burro de elite X
proletariado. Isso já era. Trabalhar certo e honesto, ser exemplo e exigir.

Stefania Danca Pall disse...

Maus profissionais temos em todas as áreas. Advogados, policiais, marceneiro, bancários..... Alguém pediu enfermagem, fisioterapia, técnicos RX, Atendentes? Falta também para compor assistência médica. Eles vão importar também? O problema é político. A pretensa elite médica mercenária desprezando os trabalhadores brasileiros. Uma minoria numérica nas urnas versus a maioria. Essa maioria que não quer ver que a infraestrutura pública é
Ineficiente. Quem já precisou minimamente de serviço público viu como funciona mal. São todos desumanos da elite? Na saúde se vc foi mal atendido foi só por causa do médico? É tudo. É vergonha na cara de todos nós. Vamos parar com esse preconceito burro de elite X
proletariado. Isso já era. Trabalhar certo e honesto, ser exemplo e exigir.

A janela do Imigrante disse...

Infelizmente o Brasil não tem o mesmo pensamento que este médico..

Um País de Advogados, pois são milhões inscritos e nenhum movimento é feito, nenhuma ação intencionada para reformar o SUS, O MP não age com austeridade e determinação pra exigir do governo uma reforma no SUS.

DE nada adianta médicos brilhantes se estes não tem condições de trabalho... Como disse o Dr acima, eles não trabalham sozinhos.. Todos são importantes. Enfermeiros, faxineiros, cozinheiros.. A mentalidade brasileira tem que mudar como um todo.. Em vez de quanto mais medico melhor, que tal vamos compartilhar um hospital e criar condições... O lema da cocoa cola aqui no Reino Unido onde moro é Share.. No Brasil é multiplicar... È meio por ai.

Jerlene Barbosa disse...

Analine,
Você só esqueceu de comentar que esses médicos , que você considera tão humanos , estão vindo tão somente pelo valor "irrisório" de 40x o salário que ganham em Cuba, mesmo ficando apenas com 80% apenas do que vai ser . Por que não propor aos " companheiros" vir trabalhar em regiões inóspitas por apenas U$ 25,0 . Será que teríamos tantos candidatos? E por que não os submetem ao revalida, já que são médicos tão bons. Verdade seja dita, essa é uma manobra ardilosa para repassar dinheiro para Cuba. É pena que você conheça apenas médicos sem muito compromisso
Sim, sou médica, com muito orgulho e não me submeto a qualquer salário não, prefiro às vezes fazer cortesia do que cobrar valores vis. A nossa formação é muito cara, são muitos anos abdicando de tudo desde a escola.
É verdade não somos semideuses, exatamente por isso que merecemos salário justo.
Porque a presidente não propõe pagar um salário de um juiz para qualquer médico , em qualquer lugar inóspito ou não e então cobrar verdadeiramente quem trabalha ou não, e assim criem uma carreira onde aos poucos médicos mais antigos ganhem a oportunidade de ficarem em grandes centros, enquanto os recém formdos cumprem sua etapa no interior. Os que não o fizessem, mereceriam sim o repúdio da classe médica e da sociedade.
Portanto vamos deixar de hipocrisia, porque você torceu para virem médicos cubanos, mas no dia que você, seu pai , sua mãe, filhos precisarem você vai atrás do melhor hospital. A presidente vai para o Sírio Libanês. Porque não vai se tratar em Cuba?
A resposta é simples: pimenta nos olhos dos outros é refresco, minha cara.
É fácil jogar pedra.
Não me iludo que poucos como eu teem a vergonha na cara de recusar um concurso público por o salário oferecido é inferior ao que pago a minha secretária doméstica. Ou pedir licença sem vencimento por não não concordar em trabalhar 20h semanais para um salário de R$ 3500,00 . Estou querendo ganhar muito?
O colégio das minhas duas filhas custa em torno de 1300,00, mas nós comemos, vestimos, temos que nos atualizar.
É pena que pessoas como você não tenham ideia do que isso significa.
Tenho sim uma vida confortável, porque meu esposo também é médico e trabalha em média 12 h por dia correndo de um lugar para outro, enfrentando trânsito e ainda tem que estudar um caso mais complicado, ou rever um artigo com atualização quando chega em casa, ou antes de sair no dia seguinte. Você acha pouco?
MÉDICOS DO BRASIL, enquanto falarmos que o problema é só estrutural, estamos sujeito a esse tipo de comentário. O PROBLEMA é mesmo salarial, o resto o governo providencia, pois não está gastando milhões com Cuba, não com MÉDICOS, COM CUBA.
E ainda dizem que temos soberania, par que ? Baixar a cabeça para LOS HERMANOS? , mas quando existe um comentário bossal envolvendo os EUA, lá vem nota de repúdio , pois estamos feridos na nossa soberania.
Espero que pessoas como você sejam atendidas por cubanos. De preferência façam pré natal e US morfológico com eles. Vamos ver no que dá

asp disse...

A falta de planejamento nos últimos 30 anos(sendo 11 deste governo) para a saúde foi o que fez chegar a isso.Não houve projeto político e público em outras áreas remotas com saneamento básico,telefone,esgoto e hospitais.Vide o caso de Cabrobó,o médico viaja 230 klms em estrada de terra e não tem como atender por falta de material e o pior a luz termina as 18 hs.Como as capitais e cidades com maior número de moradores possuía maior arrecadação,cada estado e município foi fazendo a medida de seu crescimento. Não houve a preocupação de copiar como modelo os melhores hospitais e centros médicos das grandes cidades e distribuir pelo pais todo, com uma infraestrutura que atende-se a população. Com isso concentrou muito em grandes cidades esses número de médicos e o SUS sempre sendo roubado e sangrado pelo estado e pelos políticos e agregados.Deu no que deu
Só lamento que não houve planejamento(um piloto do programa) aplicado para ver se seria eficiente e daria resultado a população,vez que muitos estados nossos são iguais ou maiores que muitos países e o Sertão do Nordeste e áreas ribeirinhas carentes não só de saúde,também de acesso a informação.Resolveram as pressas e impuseram para tentar acalmar o povo depois das passeatas de Junho - SAÚDE PADRÃO COPA DO MUNDO-,achei eleitoreiro demais tiveram pelo menos 11 anos pra reverter e amenizar isso. E quando o faz se faz no arrepio da lei.Colocaram a população contra a classe médica sem necessidade,criaram o conflito de classes sociais.Passaram a se agredir enquanto o governo assistia a tudo e usando da necessidade médica aos mais carentes fez como quis No fundo a população que mais precisa ,virará "cobaia" de um projeto sem saber se será eficiente e estaremos enviando 480 milhões de reais ano para fora quando poderíamos estar aplicando nesses anos todos em lugares mais remotos e levar melhor serviço público de saúde.Se esse dinheiro existia porque não usou para melhoras a saúde.Em 11 anos pelo menos 5 bilhões poderiam ter sido usados para melhorar as regiões afastadas e reestruturado o SUS,melhorado o gerenciamento do sistema.Mas é mais "legal mandar para Cuba 1 bilhão e 240 milhões" do que trabalhar realmente

Tico e Teco disse...

Jane, tudo é muito bonito e quer mostrar que está tudo bem nesse caso, mas tenho alguma perguntas a fazer: 1- Quantos de nossos médicos se submetidos ao tal Revalida seriam aprovados? Pelo que pesquisei entre recém formados e pasme, na opinião deles, o índice de aprovação seria próximo ao do exame de ordem da OAB para os bachareis em direito, então por que esse cavalo de batalha em cima do Revalida, se os "nossos" médicos não passariam no teste? mOutro ponto importante é que nossos doutores, não aceitam a jornada de trabalho de oito horas, cinco dias na semana pelo salário de R$10K mês, segundo os médicos brasileiros que foram para Alagoas eles aceitariam no máximo 16 horas semanais, achei isso um abuso, pois ao se inscreverem eles todos estavam cientes das condições de trabalho. É claro que existe gente que quer contribuir para acabar com essa emergencia no sistema de saúde, mas muitos não desistem da idéia de que por terem se formado em medicina tem que ficar ricos 'As Soon as Possible". A questão não é tão simples quanto alguns querem fazer parecer, e no fim se isso não funcionar quem vai continuar a pagar o preço é o povo que necessita do SUS.

Aloizio Soares Da Rocha Neto disse...

Muito bom o seu texto, porém não concordo com a imposição do revalida para esses médicos, visto que estão voltados para a atenção primária à saúde.

Aloizio Soares Da Rocha Neto disse...

Muito bom o seu texto, porém não concordo com a imposição do revalida para esses médicos, visto que estão voltados para a atenção primária à saúde.